quarta-feira, 1 de agosto de 2012

AS VÍTIMAS DA DITADURA

Terra

Lista oficial de mortos pela ditadura pode ser quase triplicada


Um estudo inédito do governo federal propõe quase triplicar a lista oficial de mortos e desaparecidos políticos vítimas da ditadura militar. Dentre os mais de 1,2 mil nomes analisados, o levantamento detalha ao menos 600 pessoas que hoje não constam na relação oficial de 357 mortos (familiares contam 426). O documento, que ainda não tem endosso do governo Dilma, será encaminhado à Comissão da Verdade e à Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, que vão decidir se o número de mortos do período será ampliado ou não. As informações foram publicadas no jornal Folha de S. Paulo.
São camponeses, sindicalistas, líderes rurais e religiosos, padres, advogados e ambientalistas mortos no País entre 1961 e 1988. A maioria morreu na região amazônica durante os 21 anos de regime militar (1964-1985). Para o reconhecimento oficial dos novos nomes é fundamental comprovar a ligação entre as mortes com os crimes praticados pela repressão. Segundo o coordenador do projeto Direito à Memória e à Verdade da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Gilney Viana, a intenção é "incluir o nome dessas vítimas na Justiça de transição, com o devido reconhecimento do Estado". Não há relação entre o reconhecimento e a concessão de indenizações a seus familiares - o pedido precisa ser requerido.

Um comentário:

  1. aí tem coisa e nêgo querendo pegar grana.
    maniçoba

    ResponderExcluir