terça-feira, 20 de outubro de 2015

GLOSA

Mote

Quero ver um altar de flores
Aos pés de Santa rita

Glosa

Para salvar o ambiente
Vou começar a plantar
Pedir e incentivar
Numa luta diferente
Com amor muito contente
Como se fosse uma dita
Transbordando de amores
Quero ver um altar de flores
Aos pés de Santa Rita.

Chl
Out/2015

sábado, 3 de agosto de 2013

RESSACA

Terra

Ressaca 'faz envelhecer' cerca de 20 anos; entenda.

Segundo estudo, ressaca também compromete a "memória de trabalho" do cérebro Foto: Getty Images

Além de naúseas, palidez e dor de cabeça, a ressaca também deixa as pessoas menos espertas, segundo um novo estudo da Keele University, no Reino Unido. As informações são do Daily Mail. De acordo com os especialistas, a ressaca - tecnicamente considerada como um grupo de sintomas que o corpo experimenta até que o nível de álcool no sangue chegue a zero - afeta a "memória de trabalho" do cérebro.

"Os sintomas da ressaca não são somente psicológicos e também afetam as funções cognitivas, o humor, além de deixar consequências indesejáveis na vida", afirma a responsável pelo estudo, Dra. Lauren Owen. 
Segundo a Dra. Owen, os resultados de primeiras pesquisas indicam que a ressaca pode diminuir entre 5% e 10% o desempenho da memória de trabalho, além de aumentar em 30% os erros. Outra conclusão foi o tempo de resposta do cérebro. Um jovem de 20 anos demora o mesmo que um homem de 40 anos para responder ao mesmo estímulo quando está de ressaca.
A especialista disse ainda que os estudos sobre o assunto são raros, pois, em geral, os médicos avaliam os efeitos do álccol no organismo e não o processo de eliminação dele. Por isso, a ressaca ainda não é completamente entendida pelos profissionais da saúde, mas muitos dizem que a desidratação é um dos principais sintomas.
"As pessoas tendem a pensar que a ressaca piora com a idade, mas estamos percebendo que as elas geralmente sofrem menos ressaca ao longo da vida. E isso é provavelmente porque as pessoas mais velhas aprendem o que podem ou não beber", afirma o psicólogo Richard Stephens.

PRECONCEITO ?

Enviado por Tarcisio Ataíde.
O dia em que Joaquim Barbosa foi reprovado no Itamaraty. Saiba o que consta no relatório sobre o presidente do STF.
Em entrevista a Miriam Leitão, em O Globo, no dia 28, Joaquim Barbosa acusou o Itamaraty de ser “uma das instituições mais discriminatórias do Brasil”. Disse que depois de passar nas provas escritas para a carreira diplomática, foi barrado por racismo nas provas orais.
Ficou a dúvida: afinal, que provas orais eram essas?
No exame psicotécnico, feito no dia 7 julho de 1980, a questão da cor de fato aparece. No relatório, o avaliador relata que Barbosa “tem uma auto-imagem negativa, que pode parcialmente ter origem na sua condição de colored”. Mais: diz que suas atitudes eram agudas demais para alguém da carreira diplomática.
Barbosa enfrentou ainda uma banca em que cinco diplomatas deram notas inclusive para a sua aparência — descrita como “regular”. Alguns desses diplomatas são hoje embaixadores.
A propósito, desde meados dos anos 80 as provas do Itamaraty são apenas escritas. As provas orais começaram a ser feitas no final dos anos 70.
Tinham como objetivo detectar “subversivos”  (o Brasil estava sob uma ditadura, enfatize-se) e a condição sexual dos candidatos.
Ou seja, se eram homossexuais. “Qual é o nome de sua namorada?”, chegava a perguntar um dos psicólogos incumbidos do psicotécnico para, em seguida, mostrar ao candidato a ilustração de uma vagina e lhe perguntar o que via, de acordo com o relato de um diplomata que fez o teste em 1981.
As entrevistas também serviam, claro, a  idiossincrasias dos avaliadores. O próprio item “aparência”, no qual Barbosa, obteve um “regular”, é uma prova disso

segunda-feira, 29 de julho de 2013

BEBA COM MODERAÇÃO

Terra

Combinação de pistache com cerveja é benéfica para o coração

Cerveja, quando ingerida com moderação, traz diversos benefícios à saúde Foto: Getty Images

Que as nozes são uma escolha saudável para a dieta não é novidade, pois elas contêm proteínas, gorduras boas, vitaminas, minerais e aminoácidos. A cerveja, quando consumida de forma moderada, também traz benefícios à saúde, como diminuição de chances de osteoporose, pedras nos rins, diabetes tipo II, problemas cardíacos e alzheimeer. A combinação de pistache com cerveja é ainda mais benéfica, descobriu estudo da Universidade do Estado da Pensilvânia. As informações são do Female First. 
Pistache e cerveja têm sinergia - especialmente quando se trata de um coração saudável. A cerveja contém álcool em pequenas doses e pode proteger o organismo contra o risco de doença cardíaca coronária, aumentando a quantidade de colesterol "bom", e diminuindo o risco de arteriosclerose (endurecimento das artérias). 
Já uma porção de pistaches pode ajudar a baixar a pressão arterial. Pesquisadores da Universidade do Estado da Pensilvânia relataram que comer pistache pode ajudar a prevenir a hipertensão em pessoas que têm riscos cardiovasculares. Cerveja e pistaches contêm potássio, a deficiência do qual pode levar a pressão sanguínea anormal, doença cardíaca, acidente vascular cerebral, bem como distúrbios renais.
Os antioxidantes, presentes em ambos, são substâncias que podem proteger as células do corpo contra moléculas que podem provocar doenças cardíacas, certos tipos de câncer e diabetes. Quanto a famosa barriguinha de cerveja, os pesquisadores afirmaram a bebida é a que tem menos calorias do que as demais alcoólicas.  

ÔMEGA 3

Terra

Altos níveis de ômega 3 afetam saúde da próstata, diz pesquisa

 Foto: Getty Images

Ácidos graxos como o ômega 3 são amplamente recomendados por médicos como uma maneira de manter a saúde em dia. Estas substâncias têm propriedades anti-inflamatórias e são associadas ao combate a problemas cardíacos, artrite e até câncer.
Mas, para os homens, o ômega 3 pode aumentar riscos de câncer na próstata, segundo dados do Centro de Pesquisa do Câncer Fred Hutchinson, nos Estados Unidos. Um estudo da entidade, publicado pelo jornal inglês The Telegraph, mostra que altos níveis de ômega 3 no sangue aumentam em 43% os riscos de desenvolver a doença. O ômega 3 ainda foi associado a tumores do tipo mais agressivo, que passam a ser 71% mais comuns.
Os dados foram obtidos a partir de análises de amostras de sangue de 834 pacientes já diagnosticados com câncer de próstata e de 1.393 homens sem a presença da doença no organismo. Os pesquisadores apontam que as diferenças de concentração de ômega 3 no sangue correspondem a mais do que duas porções de salmão por semana e são obtidas por meio de suplementos, em forma de pílulas.
"Mostramos novamente que o uso de suplementos nutricionais pode ser perigoso", disse o médico Alan Kristal ao Jornal do Instituto Nacional do Câncer. Os médicos ainda não sabem a real relação entre a substância e a doença, mas a suspeita é a de que os ácidos graxos sejam convertidos em ingredientes que alteram o DNA das células.

terça-feira, 2 de julho de 2013

ÁLCOOL NO SANGUE

Terra

Relógio japonês mostra o nível de álcool no sangue


Já existem algumas opções de bafômetros de bolso disponíveis no mercado, porém, pode ser complicado manter um por perto em todos os momentos. Por isso, a marca japonesa Tokyoflash decidiu criar um produto que alia essa função com um toque de estilo. 
Foi assim que, segundo o site Gizmag, nasceu o Kisai Intoxicated, modelo de relógio de pulso que é capaz de verificar o teor de álcool no sangue, indicando se o usuário está em condições de dirigir legalmente.​
Estéticamente o relógio não difere muito de outros modelos digitais do mercado, porém ele é o único com função de bafômetro. O produto possui uma pequena tampa lateral que leva a um sensor interno. Para checar o nível de álcool no sangue, basta pressionar um botão, soprar no local indicado por cinco segundos e verificar a resposta no visor do relógio.
A tela de LED indica a situação do usuário com diferentes cores. Verde indica que a pessoa está sóbria, amarelo mostra um teor alcóolico de 0,41 a 0,6 e vermelho revela que a o nível alcoólico está acima de 0,61 e não tem condições de assumir o volante. O produto contém ainda um jogo que testa os reflexos do usuário, funcionando como uma espécie de versão digital de um teste de sobriedade.
A empresa, no entanto, não garante a precisão do bafômetro. Há um aviso no site do produto indicando que o relógio é "apenas para diversão" e que a empresa não aconselha o uso do medidor do produto para convencer o policial de que você está em condições de dirigir. O relógio é capaz de dar uma margem aproximada, mas não possui a precisão do equipamento profissional.
Apesar da função inusitada, o design do produto não foi deixado em segundo plano. O relógio possui tela de LCD e inclui pulseira e caixa de aço inoxidável. O produto utiliza uma bateria recarregável via USB com duração média de um mês. A bateria deve durar 300 cargas antes de precisar ser substituída. O relógio custa US$ 99 (cerca de R$ 223) nos Estados Unidos e tem venda limitada por meio do site da marca. 

sexta-feira, 21 de junho de 2013

MOBILIZAÇÃO

Tatadetila
cazo

O BRASIL ACORDOU ?

O Brasil acordou !

Será ? 
Eu sou favorável ao movimento que a população brasileira está fazendo em todo país, com as manifestações de rua, mostrando sua indignação e repúdio ao que está sendo feito pelo poder público nos três níveis.

Existe entretanto uma brecha, típica de movimentos com multidões, que favorecem baderneiros, bandidos, que vão encapuzados para não serem reconhecidos pela população ou pela polícia. Alguns são meliantes mesmo, outros são jovens, "comendo corda" impulsionados pela ânsia juvenil ou por drogas ou até achando que quebrando tudo vai resolver os problemas pessoais que desgraçam suas vidas.

O povo está repudiando os profissionais dos partidos políticos, com suas bandeiras, que querem pegar carona nas manifestações que não tem líderes e nem organização política, é espontânea.

O movimento mostrou que não está preocupado apenas com as tarifas do transporte, mas com a corrupção, com impunidade (leia-se, sentença final do mensalão), com os gastos aviltantes da copa, com os gastos demais em propaganda do executivo e até do legislativo, com os gastos de menos em hospitais, escolas e na segurança, que resultam em serviços de péssima qualidade.

Acontece que no seio dos manifestantes pacifistas e ordeiros, existem os que cometem pecados, digamos veniais, como receber sem trabalhar, ter um vínculo em algum órgão público, apenas para receber salário, vinculação na assembléia ou na câmara municipal somente para garantir o voto para o parlamentar e assim por diante.

Por isso, quando dizem o Brasil acordou, eu pergunto, será ?


quinta-feira, 13 de junho de 2013

PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Blog do Josias

Presidente da Câmara apoia projeto de lei que flexibiliza Ficha Limpa já para eleição de 2014

Ideli%20%E9%20v%EDtima%2C%20limites%20s%E3o%20dados%20pela%20presidenta%2C%20diz%20Alves

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), declarou-se favorável ao projeto de lei complementar que prevê a flexibilização da Lei da Ficha Limpa. “Há alguns exageros”, disse o deputado em entrevista ao blog. Ao exemplificar, afirmou que “um parecer de um tribunal de contas não pode inviabilizar a decisão sobre a candidatura de um prefeito.”
O abrandamento da Ficha Limpa está sendo discutido no contexto de uma minireforma da legislação eleitoral que a Câmara quer votar até o final do mês. A proposta elimina a possibilidade de serem considerados ‘fichas sujas’, inelegíveis por oito anos, os prefeitos, governadores e presidentes cujas contas tenham sido rejeitadas pelos tribunais de contas dos municípios, dos Estados e da União.
Conforme já noticiado aqui, alega-se que cabe às Casas legislativas dar a palavra final sobre a regularidade das contas. Henrique endossa a iniciativa.” Declara que “a Ficha Limpa foi um avanço”, mas “não pode ser injusta”. Promete que o “ajuste” será debatido às claras. “Não vai ser uma matéria clandestina, votada de madrugada.” A minireforma engloba outros temas. A ideia é que vigore já na eleição de 2014.
Em vários pontos da entrevista, Henrique Alves falou sobre o paradoxo que inferniza o governo na Câmara: dono de um bloco de apoio que soma mais de 400 votos, o Planalto sofre para arrastar até o plenário 257 deputados, quórum mínimo para iniciar uma sessão deliberativa. A causa? Como que inspirado no brocardo segundo o qual quem avisa amigo é, o presidente da Câmara apontou para a sala de Dilma.
Para Henrique, a ministra Ideli Salvatti, coordenadora política do governo, “é muito mais vítima do que culpada.” Sua autonomia é limitada. Os outros ministros não atendem aos pedidos dela. “Essa questão da delimitação de poder, de autonomia, de formatação de espaço logicamente quem dá é a presidenta da República”, afirmou o presidente da Câmara.
Cabe a Dilma também disciplinar o preenchimento dos cargos de escalões inferiores dos ministérios. Acomodados recentemente nas pastas da Aviação Civil e dos Transportes, Moreira Franco (PMDB) e Cesar Borges (PR) não puderam compor suas equipes. Segundo Henrique, isso ecoa na Câmara. “É natural que o partido queira o ministro, mas que não seja rainha da Inglaterra.”
Provocado, o entrevistado comparou Dilma ao antecessor. “É muito diferente. O presidente Lula tinha a característica de conversar mais, de reunir mais. […] Já a presidenta Dilma é mais objetiva. Com ela é mais o sim e o não. Não tem o cinza. É o preto ou o branco. Na política, às vezes, tem um cinza, que depois se torna branco.” Falta uma pitada de Lula em Dilma? “Ah, se pudesse pedir a Deus um milagre e somar os dois…”
Na opinião de Henrique, a ebulição da Câmara foi precipitada pela antecipação da campanha presidencial. O debate nacional envenenou as províncias. “No meu Estado, já tem prefeito e vereador me procurando para discutir detalhes da campanha. Parece que a eleição é em outubro, agora, não no próximo ano.” Passou a vigorar o que muitos políticos chamam de Lei de Murici: cada um cuida de si.
“Nós queremos a reeleição da Dilma, mas todos nós queremos nos reeleger também”, resumiu Henrique. “Então, é hora de atender às demandas.” O problema, diz ele, é que o governo só tem olhos para o PAC. E a desatenção “começa a gerar uma ansiedade muito grande nos parlamentares.” Algo que considera natural. “Faz parte, sim, do governo, da sua base, pressionar legitimamente para que essas demandas possam chegar aos seus Estados e municípios.”
É contra esse pano de fundo que será votada a proposta que torna impositiva a execução das emendas que os congressistas acomodam no Orçamento da União. O governo é contra. Mas Henrique bate o pé: “O parlamentar não pode ficar se humilhando para liberar uma emenda. Está na hora de acabar com isso. Eu quero acabar. Até o mês de julho esta Casa vota o Orçamento impositivo.” Como “concessão” ao governo, ele propôs aos colegas uma redução no total de emendas a que cada um tem direito: em vez de R$ 15 milhões, R$ 10 milhões por ano.
Líder do governo na Câmara, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) disse acreditar que a iniciativa será barrada no Senado. Henrique discorda: “Achei infeliz a declaração. Qual é a diferença do deputado para o senador? Da base que eu venho vem o senador. Os pleito que eu vou buscar lá, ele recebe também. Não acredito [que os senadores rejeitem a proposta]. Essa emenda é um resgate ao altivez do Parlamento.”
Instado a comentar o último Datafolha, Henrique atribuiu à inflação a queda de oito pontos percentuais na popularidade de Dilma. Não deu grande importância ao fato. “Ela estava superbem avaliada e ficou muito bem avaliada ainda.” Acredita que, reduzindo-se a carestia, Dilma volta à categoria de “super”.
Henrique achou normal também o crescimento da taxa de intenção de voto de Aécio Neves de 10% para 14%. Prevê que o tucano crescerá “mais ainda”. Imagina que a sucessão de 2014 será novamente polarizada entre PT e PSDB. Otimista, prevê que a chapa Dilma-Michel Temer prevalecerá no primeiro turno.
E quanto a Eduardo Campos? “Não está conseguindo firmar palanques estaduais nem alianças partidárias”, constata Henrique. Para ele, o presidenciável do PSB lida com “uma contradição” difícil de ser explicada. “Ele tem no governo um ministro seu [Fernando Bezerra], num ministério importantíssimo como o da Integração Nacional, que está de braço dado com a Dilma pelo país afora. Muitos não entendem como é que ele [Eduardo Campos] pode ser candidato participando da base do governo.”

quarta-feira, 12 de junho de 2013

PETROBRÁS


Pedro Simon (JB)

Alerta na Petrobras

Quem analisa detidamente o mau desempenho das ações da Petrobras no mercado e, ao lado disso, acompanha as notícias surpreendentes que envolvem negócios e parcerias da empresa, notícias essas que servem de base para respaldar um pedido de uma Comissão Parlamentar de Inquérito no Congresso, tem motivos suficientes para ficar preocupado. Ainda mais que o governo, ao impedir a Petrobras de reajustar os preços dos combustíveis a níveis internacionais, incorre no mesmo erro de administrações anteriores que é a utilização da empresa como instrumento de controle da inflação.
A verdade é que os atuais problemas da Petrobras são imensos e numerosos, provocando a queda do seu valor de mercado. A empresa vale hoje 65 por cento do seu patrimônio e a perda de eficiência média nas plataformas é de 10%, chegando, em alguns casos, a 50%. O governo está diante de um dilema severo.
Nesse quadro, é difícil concordar com a presidente da estatal, a competente Graça Foster, que em audiência no Senado, explicou medidas que estão sendo tomadas - aempresa atingiu recorde de produção de gasolina no mês de maio -, e procurou passar uma mensagem de tranquilidade à sociedade.
Afinal, se os brasileiros têm carinho por uma empresa nacional essa é a Petrobras, que surgiu após uma histórica mobilização popular que ganhou as ruas do país com o lema “O Petróleo é Nosso”. Hoje, cerca de 300 mil trabalhadores estão entre os orgulhosos, porém cada vez mais desconfiados acionistas da Petrobras.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

ÍNDIOS E QUILOMBOLAS


É claro que, no Brasil, se tornou heresia discutir essa onda meio ridícula em torno de direitos originais de indios e quilombolas. Seria assunto para muita conversa. De minha parte, faço apenas uma pergunta despretensiosa e uma modesta reflexão. 

Primeiro, a pergunta: quem nasceu índio, por exemplo, será considerado índio ao longo de quantas gerações? Quantos séculos? Eu, por exemplo, sou bisneto -- na linha materna -- de um casal de portugueses. Na linha paterna, não. Sou português? E os meus filhos? Os meus netos? Os meus bisnetos? Todos portugueses?

Agora, a reflexão: se não há limites, nem de tempo e nem do número de gerações para que alguém se declare pertencente a uma determinada raça ou a qualquer grupamento humano, e se a prova dessa condição, é assim, no grito, como estamos fazendo no Brasil (até importando índios dos países vizinhos para engrossar esse grito), então o que aconteceria se alguém reivindicasse para si um pedaço da Itália, a Toscana inteira, alegando que é etrusco? Isto é, que descende dos etruscos - um povo que, antes do império romano, antes de Cristo, ocupou praticamente toda a área da Toscana, entre os rios Arno e Tibre.

Esse "etrusco" de araque levaria uma vantagem muito importante sobre os nossos índios. Basta comparar as duas situações. Os nossos índios reivindicam uma determinada área e simplesmente afirmam que aquilo é deles. Por que? Porque é, ora! É deles e pronto. 

Já o nosso "etrusco"pode mostrar a riqueza do rastro precioso que os seus ancestrais deixaram: pinturas e afrescos, esculturas extraordinárias, cerâmica de alta qualidade, peças oficialmente reconhecidas como produzidas pelos etruscos e que provam (sem necessidade de grito) que eles ocuparam aquele território. Aplicando-se a mesma lógica da nossa política indigenista, se alguém aparece dizendo-se etrusco e berra que os seus pluriavós eram os donos dali, tem sem dúvida direito a converter a Toscana em uma "reserva" etrusca, não é?

A imagem que estou mostrando hoje é da "Quimera de Arezzo", escultura etrusca, que está hoje em Florença. Se aparecer um dia esse etrusco, tem muito como documentar a presença dos seus ancestrais, da sua "familia" naquela região da Itália. Portanto, terá os mesmos argumentos históricos e morais que sustentam essa nossa política para índios, cujas reservas ocupam hoje mais de 11% de todo o território do Brasil (por enquanto).

quinta-feira, 6 de junho de 2013

CHARGE

SONEGAÇÃO

 Agência Estado

Brasil deixa de arrecadar R$ 415 bilhões ao ano por sonegação.


SÃO PAULO - Sonegar imposto é crime e custa caro ao Brasil: R$ 415 bilhões. O valor se refere ao que o País deixa de arrecadar por ano com a evasão fiscal, de acordo com estudo divulgado nesta quarta-feira, 5, pelo Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz).
O Sindicato informa ainda que o valor estimado de sonegação tributária é superior a tudo que foi arrecadado em 2011 de Imposto de Renda (R$ 278,3 bilhões) ou de tributos sobre folhas e salários (R$ 376,8 bilhões). E é mais da metade do que foi tributado sobre bens e serviços (R$ 720,1 bilhões).
De acordo com o Sinprofaz, a arrecadação brasileira poderia ser 23% maior se fosse eliminada a evasão fiscal. "Isso significa que, se não houvesse sonegação de impostos, o peso da carga tributária poderia ser reduzido em até 20% e ainda sim se manter o mesmo nível de arrecadação", escreveu o presidente do Sinprofaz, Allan Titonelli Nunes, em nota.
O Sindicato chegou ao número após analisar 13 tributos que correspondem a 87,4% da arrecadação tributária no Brasil, entre eles IR, IPI, IOF, INSS, Cofins, CSLL, FGTS, ICMS e ISS. O Sinprofaz informou ainda que a população pode acompanhar a contagem da sonegação fiscal no endereço www.sonegometro.com.

terça-feira, 4 de junho de 2013

CAFÉ


Excesso de café pode causar transtorno mental

Caneca com café

São Paulo – Cientistas descobriram mais um malefício do excesso de café no corpo humano. Uma nova pesquisa afirma que o excesso de cafeína pode causar transtorno mental temporário e síndrome de abstinência.
O estudou foi publicado na nova edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. O periódico é considerado um manual de referência para psicólogos e psiquiatras no tratamento de doenças mentais.
Entre os sintomas da intoxicação estão inquietação, nervosismo, excitação, rubor, desconforto gastrointestinal, espasmos musculares, confusão na fala, insônia e alteração do ritmo cardíaco. Quem exagerou no café e sofre cinco ou mais desses sintomas pode estar com intoxicação.
Para aliviar o problema é preciso cortar o consumo, que também tem algumas complicações, como fadiga, dor de cabeça, dificuldade em se concentrar e depressão leve. Esses sintomas de abstinência de cafeína são transitórios.
Alguns especialistas consideram a inclusão da intoxicação e da abstinência no manual um exagero. Mas o psicólogo Alan Budney explica que a sociedade precisa ficar atenta aos efeitos da cafeína, que está cada vez mais presente na rotina das pessoas.
Segundo o especialista, o tópico exige seriedade, mesmo que seja uma questão controversa. Alguns consumidores podem não estar cientes da dependência física causada pelo café.
A cafeína é uma das substâncias mais usadas no mundo para aumentar o desempenho. O estimulante de sabor amargo acelera o sistema nervoso central, o que faz a pessoa se sentir acordada, alerta e com mais energia.
Mas vale ressaltar que a cafeína não é a única substância que causa intoxicação. Esse tipo de transtorno está associado também ao uso de álcool, nicotina, maconha e alucinógenos. O uso dessas substâncias podem alterar o comportamento, os processos mentais e causar sintomas físicos.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

O GRITADOR DE LEILÃO - MANOEL DA VIÚVA


Peço permissão ao amigo e conterrâneo Rosemilton Silva, para publicar o  texto sobre o seu pai, Manoel da Viúva.

Rosemilton

Estamos num dia 22 de maio de um ano qualquer das décadas passadas antes dos anos 90. 

Ele acordava cedo, tomava banho, o café e, com um orgulho danado, nos dizia: "Vou gritar o leilão!" E era gritado mesmo, com aquele bom humor e conhecimento de tudo e de todos. Saía de casa, passava na casa paroquial, via as prendas. Seguia no rumo da casa de Miguel Farias e, logo após, de Odorico Ferreira de Souza. Estava formado o eterno trio responsável pelo leilão de Santa Rita de Cássia. 

Nos divertíamos muito, todos, sem exceção, com as brincadeiras, as tiradas, a forma como ele arrematava um cacho de coco, uma galinha, um perú, um guiné. A velocidade com que ele oferecia a prenda e contava os três números fatais da venda, era rápida, a ponto de Miguel e Odorico quase nem perceberem ou fazia que não percebiam. E tudo, ou quase tudo, era em meu nome.

Mané da Viúva ainda hoje faz falta naquele leilão. Ainda hoje é lembrado pelos mais antigos. Mesmo que Romualdo o tenha substituído, ninguém "gritará" o leilão como ele. E não sou eu quem diz isso!

Certamente, lá no céu, ele estará reunido hoje com Miguel Farias e Odorico Ferreira de Souza, no leilão de Santa Rita, reunindo os que também já foram e, com certeza, embora ele não fosse assíduo, ele reclamará que estará faltando a cerveja sagrada naquele único dia em que ele bebia. 

As prendas, papai, vá guardando que eu as buscarei assim que puder.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

AGORA ENTENDA

Terra

Centenária diz que o segredo para uma vida longa é bacon

Segundo america de 105 anos, bacon ajudaria a manter o coração jovem Foto: Getty Images

Depois de anos ouvindo centenários afirmando que uma alimentação saudável seria responsável por uma vida longa, Pearl Cantrell, de 105 anos, garantiu que a única e verdadeira fonte de juventude é o bacon.
Segundo o site Gamer, a americana defendeu que ingerir esse alimento todos os dias ajuda a manter o coração jovem. "Eu não me sinto tão velha como eu sou, isso é tudo que posso dizer", disse Pearl em entrevista à afiliada da NBC local.
Após a entrevista, a empresa americana Oscar Mayer entregou diversos pacotes de bacon na casa de Pearl. A senhora chegou a andar no Wienermobile, carro em formato de cachorro-quente da empresa, e acenou para o público.​

GOVERNO E OPOSIÇÃO

Tatadetila